“Eu simplesmente não acredito mais.” Estas foram as últimas palavras que eu pensaria que sairiam da boca do meu parceiro de oração de longa data. Sim, ela teve alguns desafios recentemente, mas nada comparado aos testes anteriores. Essa ligação foi diferente. A exaustão e a incredulidade eram palpáveis.

Se formos honestos, todos já estivemos lá – momentos ou até períodos de dúvida e total descrença em Deus. Senti uma onda de dúvida neste verão ao ministrar às crianças em um acampamento de verão no centro da cidade. Ouvi as crianças compartilharem sobre seus horríveis abusos, fome e falta de segurança em casa.

Ver um jovem cair em prantos e dizer “me sinto esquecido” é comovente. Então, voltando para casa com as notícias noturnas de tiroteios em massa em várias cidades e furacões que assolam as comunidades … até a pessoa com a fé mais forte pode gritar: “Deus, onde você está?”

A maioria das pessoas concorda que nosso mundo está gemendo. Durante esses tempos, pode-se imaginar Deus é real? Ou talvez, se Deus é real, Deus é bom? Costumo ouvir as pessoas dizerem: “Gostaria que Deus se revelasse para mim. Eu gostaria que Ele falasse comigo e me mostrasse o caminho.

Com confiança, os seguidores de Jesus podem responder: “Ele tem e ele o fará”.

Os desafios do nosso mundo reafirmam que a nossa única esperança é Jesus.

Em nosso clima pluralista, Jesus é frequentemente relegado a uma das muitas opções de gurus ou líderes religiosos que podemos seguir para ter uma sensação de paz e satisfação. A fé cristã é, na melhor das hipóteses, apontada como um dos muitos caminhos para Deus – “se alguém está dentro de Deus”.

Muitas vezes, os seguidores de Jesus são considerados pensadores ilusórios, ilusórios e aqueles que precisam de uma muleta. “Você segue Jesus, eu faço yoga. É tudo a mesma coisa.

Isso sem mencionar nosso mundo secular consumista e materialista que está chamando nossa atenção a cada momento, bombardeando-nos com anúncios tocando em nossos bolsos e alertando nossos pulsos.

De acordo com a Forbes, “os especialistas em marketing digital estimam que a maioria dos americanos está exposta a cerca de 4.000 a 10.000 anúncios por dia”. [1]

No meio desse turbilhão de confusão, Jesus diz: “EU SOU o caminho, a verdade e a vida”.

São Miguel Arcanjo

O entendimento da fé no Novo Testamento nunca foi um salto cego no escuro abismo do desconhecimento; muito pelo contrário. As palavras gregas do Novo Testamento para fé (pistis) e crer (pisteuo) significam “confiar, comprometer-se, colocar seu peso”.

Desde a ressurreição de Jesus, as noções de fé e crença são e sempre foram um passo para a realidade última. Os primeiros apóstolos acreditavam tanto na realidade da vida, morte e ressurreição de Jesus de Nazaré que apostaram suas próprias vidas nela – e nós também podemos.

Então, como vivemos na esperança?

Devemos, antes de tudo, recordar a história. É conhecido o historiador da igreja e atual presidente do Seminário Teológico Gordon-Conwell, Dr. Scott Sunquist, que diz que “a história é muito importante”.

Os israelitas eram bem versados ​​em relembrar sua história. Deus encomendou Josué para fazer pedras de lembrança e chamou os israelitas para celebrar festas que lembram a ação de São Miguel Arcanjo na história humana.

Todo Seder de Páscoa lembra o povo judeu da fidelidade de Jeová Deus ao longo dos séculos. Muitos salmos começam com lamentações, mas terminam com louvores quando o salmista recorda a fidelidade de Deus ao longo da história.

O salmo 22 começa “Meu Deus, meu Deus, por que você me abandonou?” Então o salmista começa a recordar a bondade e a libertação de Deus: “Em você, Senhor, nossos ancestrais confiaram; e você os livrou”.

Depois de lembrar, o salmista começa a elogiar: “Viverei por ele. A posteridade o servirá; as gerações futuras serão informadas sobre o Senhor e proclamarão sua libertação a um povo ainda não nascido, dizendo que ele fez isso ”.

Especialmente em nossa cultura pluralista, relativista e muitas vezes desanimada, os seguidores de Jesus precisam reservar um tempo para lembrar e lembrar de Deus agindo na história humana. Devemos afirmar nossa fé que:

1 – Deus é real.

E

2 – Deus se revelou plenamente na figura histórica, Jesus de Nazaré. Em Jesus, vemos toda a bondade, justiça, poder e amor generoso de Deus.

Aqui estão algumas dicas para nos lembrar:

O fato do mundo. Como Gottfried Leibniz afirmou: “Por que há algo em vez de nada?” O simples fato de o mundo existir aponta para um Deus criador. O renomado físico matemático de Cambridge, John Polkinghorn, argumenta que, para que o mundo como o conhecemos, bilhões de constantes precisassem ser afinadas. Se alguém tivesse perdido uma fração, o mundo não existiria.

O design do mundo. É difícil observar o design complexo do mundo e jogar tudo ao acaso. Pense no complexo e complexo equipamento de foco do olho humano e na singularidade de cada impressão digital humana. Imagine a beleza da natureza: um pôr do sol e os meandros de uma folha. É altamente pouco convincente dizer que não tem designer e que tudo é aleatório.

Personhood. E a razão humana? Criatividade humana? Personalidade? O impessoal pode criar o pessoal? Nossa inteligência humana poderia ter vindo da matéria fria? Nossa capacidade de raciocinar, imaginar, criar e tomar decisões aponta para a existência de uma inteligência suprema.

Valores. De onde vêm valores que prezamos, como verdade, beleza, bondade, criatividade e amor? Se eles vêm de dentro de nós mesmos, por que todos os valorizamos (concedidos de maneiras diferentes em diferentes culturas, mas parece haver muito terreno comum)?

Consciência. Todo ser humano tem um senso de certo e errado. A maioria dos humanos tem esse senso instintivo do “dever”. Mas de onde vem o “dever” dentro de nós?

Religião. Onde quer que você vá, em todas as culturas, há crença em Deus. Por que existe esse conceito de Deus em primeiro lugar? Por que os humanos têm esse instinto de adorar algo além de nós mesmos?

História. Repetidas vezes, os achados arqueológicos corroboram a narrativa bíblica de um Deus criador que é fiel, compassivo, justo, misericordioso e ativamente envolvido na história humana. Este não é um conto de fadas inventado. É uma conta de eventos que ocorreram em tempo real e espaço real.

São Miguel Arcanjo

Jesus Cristo. A melhor evidência para a existência de Deus é a pessoa de Jesus Cristo que revelou Deus ao mundo. Jesus é Deus com pele – totalmente humano e totalmente divino. (Filipenses 2) Os Evangelhos proclamam que Deus realmente veio à Terra e andou entre nós.

O que vemos neste Jesus? É importante lembrar o seu nascimento milagroso, antes de tudo.

Segundo, seus ensinamentos incomparáveis ​​viraram conceitos de poder e estiveram no centro de muitos movimentos de reforma social na história da humanidade, incluindo nosso próprio movimento pelos direitos civis. Seu chamado para amar a Deus, ao próximo e a si mesmo. Não houve rival ao ensino de Jesus.

Terceiro, sua vida perfeita de AMOR é incomparável. Nenhum ser humano viveu uma vida perfeita de amor como Jesus. João, seu companheiro mais próximo, disse sobre nós: “Se dizemos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos e a verdade não está em nós” (1 João 1: 8). E depois, ele diz de Jesus: “Nele não havia pecado” (1 João 3: 5). Ele amou tão radicalmente que, embora fosse Deus, lavou os pés de seu discípulo. Ele tratou todos com dignidade em uma cultura altamente fracionada. Mesmo sendo crucificado, Jesus disse: “Pai, perdoe-os, porque eles não sabem o que fazem.”

Quarto, seus milagres e poder curaram muitos. Não há uma pessoa que Jesus se afastou que pediu cura. Vemos a profunda compaixão de Deus em Jesus. Ele expulsou demônios, abriu os olhos, transformou vidas, acalmou tempestades e alimentou milhares.

Quinto, ele foi o cumprimento da profecia. Os estudiosos destacam que mais de 322 profecias no Antigo Testamento foram cumpridas na vida, morte e ressurreição de Jesus.

Sexto, as reivindicações e ações de Jesus eram reservadas somente a Deus. Jesus disse: “Eu e o Pai somos um” (João 10:30) e “Se você me viu, viu o Pai” (João 14: 9). . Jesus perdoou pecados, recebeu adoração e disse que seria o juiz final – todas as ações reservadas a Deus.

Finalmente, ele foi ressuscitado dentre os mortos. Jesus quebrou a barreira da morte. Ele morreu na cruz, sofrendo a morte mais brutal, e ressuscitou para que pudéssemos viver. Jesus nos libertou do pecado e da morte. É a realidade histórica da ressurreição que afirma a divindade de Jesus. Nós temos:

relatos de testemunhas oculares de Jesus ressuscitado;

apóstolos que foram todos martirizados, exceto um por proclamar esta verdade;

o dia de adoração que havia sido o mesmo por milhares de anos mudou de sábado para domingo;

um movimento que provocou a maior mudança na história humana quando o crescimento exponencial da igreja apostólica surgiu.

A melhor notícia de todas é que este Jesus histórico está vivo e sentado à direita do Pai e ainda está se revelando aos corações humanos até hoje.

Portanto, quando tivermos momentos de dúvida, lembremos: (1) Deus é real; (2) Deus é bom e nós o vemos completamente na pessoa de Jesus; e (3) Deus está vivo. Podemos conhecê-lo e seu amor e poder todos os dias de nossas vidas na eternidade.

A história é importante. Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

Published On: maio 18th, 2020 / Categorias: Uncategorized /

Subscribe To Receive The Latest News

Curabitur ac leo nunc. Vestibulum et mauris vel ante finibus maximus.

Thank you for your message. It has been sent.
There was an error trying to send your message. Please try again later.

Add notice about your Privacy Policy here.